Quanto mais as coisas mudam, mas se parecem a si mesmas.

A primeira vez que li essa frase tentei encontrar uma lógica e compreensão para ela, mesmo parecendo óbvio o que se quer dizer. Sempre me perguntava por que a palavra mudança aparece nesse contexto, tendo em vista que estamos nos tratando de uma repetição.

Principalmente porque entendemos mudança como algo novo e a própria definição no dicionário nos remete a isso, “alteração ou modificação do estado normal de algo”.

Entretando, por que quanto mais se muda, mas as coisas se parecem consigo mesmas?

Winnicott em sua obra ressalta a importância do desenvolvimento psíquico do indivíduo e do amadurecimento. É por meio das primeiras relações com a mãe e com o ambiente que a criança vai se desenvolvendo e consequentemente se apercebendo e percebendo o mundo a sua volta.

É essa apercepção, consciência dos seus estados internos e representações, que permite a pessoa compreender seu próprio psiquismo.

Entretanto, parece que a medida que vamos crescendo e assumindo papéis sociais, somos envolvidos por uma série de padrões e construções que devemos seguir, o que toma grande parte do nosso tempo e vida.

Kübler-Ross (1981, p 21) em seu livro Sobre a morte e o morrer escreve que

“vivemos numa sociedade onde predomina o homem da massa, em detrimento do homem como indivíduo”.

Isso foi escrito no ano de 1981, imagina se ela vivesse nos dias atuais?

No mundo contemporâneo a mulher e o homem da massa é conectado, dinâmico, cheios de responsabilidades, tem vários papéis sociais e despende grande parte do seu tempo neles.

Quase não se dedica ao autoconhecimento ou ao que lhe faz feliz e arrisco-me até em dizer que uma boa parcela das pessoas não tem clareza se o seu estilo de vida que vivem, de fato é o que lhe satisfaz.

Considerando isso, mesmo que tudo mude, estamos ali a repetir a busca pela primeira experiência, pelo desconhecido e não integrado.

Poderia aqui citar vários exemplos da nossa história, falar sobre as expectativas e os desejos que temos nas viradas de ano, a mudança de emprego, a idealização do novo chefe, um novo relacionamento… as possibilidades são gigantes.

Mas por que dessa repetição?

Porque não nos APERCEBEMOS! Não nos permitimos parar, respirar fundo e investir em um processo psicoterapêutico que nos ajudará a encontrar essas respostas.

Essa habilidade que é tão importante na vida e pode ser entendida como autoconhecimento, inteligência emocional ou qualquer outro nome que demos, é essencial para a preservação do indivíduo, principalmente com todas essas mudanças culturais e sociais.

E a busca dessa apercepção deve ser um investimento para quem quer ser um bom líder, profissional, pai, mãe, filho(a), marido, esposa, mas principalmente HUMANO.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s